Aguarde o carregamento...
CATALISADORES:: Convencionais
CATALISADORES
Convencionais

O conversor catalítico automotivo, ou catalisador, é uma peça fundamental na redução dos níveis de poluição produzida por veículos e tem a tarefa de transformar gases nocivos a saúde de pessoas, animais e plantas, em gases inofensivos.

Sua utilização é essencial para a preservação da saúde humana principalmente nos centros urbanos onde a poluição dos carros é a responsável por uma série de doenças respiratórias.

 

Desde 1997 o uso e a manutenção de catalisadores em veículos de passeio e motos vem sendo obrigatória por lei. A remoção ou uso inoperante do catalisador é passível de multa. Em muitas cidades a Inspeção Veicular exige o seu bom funcionamento.
Além disso, o catalisador é muito mais que um protetor do meio-ambiente, ele também é uma peça importantíssima no sistema de exaustão, pois acima de tudo ele garante a taxa de contrapressão do motor e também auxilia na atenuação do ruído.
A retirada do catalisador afeta ainda o funcionamento do modulo do sistema de injeção eletrônica e principalmente o consumo de combustível, que chega a aumentar em até 20%.

Todos os catalisadores MASTRA estão em total conformidade homologada pelo INMETRO.

LINHA DIESEL

A partir de janeiro de 2012, os catalisadores também estão sendo aplicados em veículos da Linha Diesel (Pesados), por força da legislação brasileira.

Consulte nossa linha completa de Conversores Catalíticos no catálogo on line.

MASTRA
Como funciona

Poluição causada pelos automóveis

A queima incompleta do combustível no motor resulta na liberação de diversos gases tóxicos na atmosfera como Monóxido de Carbono (CO), Dióxido de Enxofre (SO2), óxidos de Nitrogênio (NOx) e Hidrocarboneto (HC).

Veja os gases que são altamente tóxicos e afetam diretamente a saúde e qualidade de vida das pessoas:

a) Hidrocarboneto (HC): são responsáveis pelo aumento da incidência de câncer no pulmão. Efeitos: irritação nos olhos, nariz, pele e aparelho respiratório.

b) Dióxido de nitrogênio (NOx): Gerado devido a altas temperaturas na câmara de combustão. Pode provocar desconforto respiratório, diminuição da resistência a infecções e alterações celulares.

c) Monóxido de carbono (CO): Liga-se a hemoglobina, substância do sangue que leva o oxigênio ás células, diminuindo a oxigenação. Em altas concentrações, em ambiente fechado, pode matar. Efeitos: tonturas, vertigens e alterações do sistema nervoso central. Os mais prejudicados são os doentes cardíacos e portadores de angina crúnica.

O núcleo cerâmico do catalisador é impregnado dos metais preciosos como Ródio, Platina e Paládio. Os gases tóxicos provenientes da combustão do motor reagem quando em contato com os metais preciosos numa reação termoquímica conforme abaixo:

Reações químicas que ocorrem dentro do catalisador automotivo:

a) 2CO + O2 = 2CO2: Monóxido de carbono mais Oxigênio convertidos em Gás carbônico;

b) 2C2H6 + 7O2 = 4CO2 + 6H2O: Hidrocarboneto mais oxigênio convertidos em Gás carbônico e água;

c) 2NO2 + 4CO = N2 + 4CO2: Dióxido de nitrogênio mais Monóxido de carbono convertidos em Gás nitrogênio e Gás carbônico

MASTRA
Características

INMETRO

Desde abril de 2010, todos os conversores catalíticos, ou catalisadores, comercializados no Brasil devem estar homologados pelo INMETRO e devidamente identificados com a logomarca do órgão no corpo do produto.

A MASTRA foi a primeira a ter TODA linha homologada pelo INMETRO

Identificação Indelével

Catalisador Falso

O falso catalisador apresenta diversas configurações, desde um simples tubo que substitui a cápsula, até mesmo a cápsula original oca, sem o miolo cerâmico.

Em qualquer dessas situações a conversão de gases, não ocorre, os níveis de ruído assim como o consumo do combustível aumentam. Deixando todo prejuízo com o dono do veículo.

Fique de olho!


Quando trocar o catalisador

O catalisador original MASTRA tem durabilidade de 40.000 km podendo durar mais ou menos dependendo das condições do veículo e da qualidade dos combustíveis utilizados.

Ruídos excessivos, batidas e baixa performance do motor, sugerem problemas no catalisador. Procure um profissional especializado. Rodar com catalisador vencido é certeza de prejuízos.


Teste do termômetro

Conforme norma ABNT NBR 14781/2014
O termômetro infravermelho é uma ótima ferramenta para diagnosticar o conversor catalítico, pois verifica as emissões de gases do veículo todo, fazendo uma análise precisa e imediata somente do catalisador, verificando, portanto, se o mesmo está em perfeito funcionamento ou não. Veja abaixo:


Quer saber se o catalisador está funcionando? Siga o passo a passo e acerte no diagnóstico:

1) Ligue o veículo. Com o câmbio em ponto morto acelere-o continuamente para induzir o aquecimento do catalisador. O catalisador começa a operar a partir de uma temperatura de gases em torno de 250oC.


Termômetro

2) Procedimento de leitura: pressionar o gatilho por 2 segundos e soltar em seguida, fazer a leitura da temperatura indicada.

3) Medir a TE, Temperatura no Cone de Entrada dos gases mantendo o termômetro a uma distância de 20cm da peça. Dirigir o foco do termômetro para a parte do cone que faz ligação com o tubo de entrada próximo a solda. Observação: Se o termômetro possuir mira laser será mais fácil focar a região de leitura.

4) Medir a TS, Temperatura no Cone de Saída seguindo as mesmas orientações dos passos 2 e 3.

5) Se entre o Cone de Entrada e o Cone de Saída a Diferença de Temperatura (DT) for menor ou igual que 10oC, é sinal que o catalisador não está funcionando corretamente e deve ser substituído.

DT = TS - TE

Sendo que:

TE: Temperatura de Entrada, medida na entrada dos gases no catalisador.

TS: Temperatura de Saída, medida na saída dos gases do catalisador.

DT: Diferença de Temperatura, resultado de TS - TE.

Catalisador operante DT maior que 10oC

TS - TE maior que 10oC

Exemplo: 265oC (TS) - 250oC (TE) = 15oC (DT maior que 10oC)

Catalisador inoperante igual ou menor que 10oC

TS - TE igual ou menor que 10oC

Exemplo: 255oC (TS) - 250oC (TE) = 5oC (DT igual ou menor que 10oC)

Orientação: Refaça os passos 1 a 5 em caso de dúvida na leitura das temperaturas TE e TS até ter certeza do procedimento.